A Saúde do Profissional de Enfermagem para o melhor cuidar

Refletir sobre a saúde do profissional de enfermagem é fundamental para compreender as relações entre o trabalho na área da saúde e suas implicações para a qualidade de vida do trabalhador.

A equipe de Enfermagem é responsável por 60% das ações da área da saúde, por meio da assistência permanente, da implementação do cuidado à população, com vistas à promoção, a prevenção, a manutenção e a recuperação da saúde.

Sabemos que os profissionais de enfermagem permanecem ao lado dos pacientes e do ambiente de saúde, mesmo em condições de dor e sofrimento que advém desse contexto. Com isso, a Enfermagem, foi classificada pela Health Education Authority, como a quarta profissão mais estressante.

Diversos estudos realizados identificaram que 100% dos profissionais de enfermagem possuem algum nível de estresse advindo do ambiente de trabalho. Dentre os fatores desencadeadores do estresse estão: dificuldades nas relações interpessoais, atividades rotineiras e repetitivas, excessivo número de pacientes, clima de sofrimento, dor e morte, baixas condições salariais, poucas atividades de lazer, o enfrentamento, por vezes, de dificuldades estruturais da saúde e longas jornadas de trabalho. Tais fatores impactam diretamente na saúde dos profissionais de enfermagem, e ocasionam sofrimento psíquico, que juntamente com a sobrecarga física, contribuem para a ocorrência de doenças laborais, como a Doença Ocupacional Relacionada ao Trabalho (DORT), e o profissional passa a conviver com fortes dores e sofrimento físico.

A resiliência do trabalhador de enfermagem para situações estressantes no trabalho está abaixo da média quando se trata da regulação das emoções, as quais sofrem influência do próprio indivíduo, das suas condições familiares e relacionadas ao apoio/suporte do meio ambiente. Para ser resiliente, as emoções precisam ser expressas de maneira adequada, sejam elas positivas ou negativas.

Nesse contexto, por vezes, os profissionais de enfermagem mostram-se vulneráveis a crises de valores e queda da qualidade do seu trabalho. Para tanto, sugere-se que o profissional reflita sobre as possibilidades de adoecimento e as situações que geram estresse e sofrimento, a fim de desenvolver habilidades internas necessárias para o fortalecimento da resiliência.

Um aspecto que se acredita estar relacionado à melhoria das condições de trabalho e de saúde é o compromisso dos profissionais de enfermagem com o caráter acadêmico-científico na produção de conhecimentos que subsidiem a prática. Dessa forma, é necessário o fortalecimento e contribuição dos profissionais para o desenvolvimento de estudos que busquem entender e sugerir formas de melhorar o ambiente de trabalho.

Além das reflexões individuais dos profissionais, faz-se necessário o incentivo constante das organizações de saúde em ações que valorizem o diálogo e o reconhecimento, bem como o estímulo ao desenvolvimento pessoal e profissional dos trabalhadores. Assim, as relações interpessoais serão fortalecidas e culminarão em motivação e valorização da enfermagem e o melhor ambiente de trabalho.  Isso emerge a necessidade de cuidado ao cuidador, pois esses precisam de equilíbrio profissional para melhor cuidar.


Texto escrito pela monitora do Programa Proficiência Vanessa Evelyn de Mello


Referências
 
BELANCIERI, Maria de Fátima et al . A resiliência em trabalhadores da área da enfermagem. Estud. psicol. (Campinas),  Campinas,  v. 27,  n. 2, June  2010 .   Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2010000200010&lng=en&nrm=iso.
 
GRIEP, Rosane Härter et al . Uso combinado de modelos de estresse no trabalho e a saúde auto-referida na enfermagem. Rev. Saúde Pública,  São Paulo,  v. 45,  n. 1, Feb.  2011 .   Disponível em http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102011000100017&lng=en&nrm=iso.
 
DALMOLIN, Graziele de Lima; LUNARDI, Valéria Lerch; FILHO, Wilson Danilo Lunardi. O SOFRIMENTO MORAL DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM NO EXERCÍCIO DA PROFISSÃO. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2009 jan/mar. Disponível em http://lildbi.bireme.br/lildbi/docsonline/lilacs/20090500/460_v17n1a07.pdf
 
MAGNAGO, Tânia Solange Bosi de Souza; LISBOA, Marcia Tereza Luz; GRIEP, Rosane Harter. ESTRESSE, ASPECTOS PSICOSSOCIAIS DO TRABALHO E DISTÚRBIOS MUSCULOESQUELÉTICOS EM TRABALHADORES DE ENFERMAGEM. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2009 jan/mar. Disponível em http://lildbi.bireme.br/lildbi/docsonline/lilacs/20090500/475_v17n1a22.pdf


Comentário

avatar vanna ribeiro
+2
 
 
adorei em fim um site que encontrei o que precisava!!!!!!!!!!!!!!!!
Nome *
Email (Para verificação e respostas)
Código   
ChronoComments by Joomla Professional Solutions
Enviar comentário
Cancelar
Verifique o Nome *
Informe o Email*
Verifique o Código*   
Chronocomments
Enviar Comentário

Enquete

Como você ficou sabendo do Programa Proficiência?